MEDICINA REPRODUTIVA

Home > Perguntas Frequentes

Medicina Reprodutiva é a área da ciência que lida com a investigação, o diagnóstico, o tratamento da infertilidade, o restabelecimento e a preservação da fertilidade.

A Pronatus traz a você um breve relato da fascinante história da reprodução humana, que tem oportunizado para muitos casais a realização do sonho de ter um filho.

Um pouco da história
A história da humanidade sempre revelou interesse pela fecundidade. Intervenções e experiências com o processo de reprodução humana datam de alguns séculos, mas foi só em 1590, no final do século XVI, que o estudo da infertilidade ganhou foros de cientificidade com a invenção do microscópio.

Na década de 1970, ocorreram as mais revolucionárias descobertas, capazes de garantir a reprodução humana.

O primeiro marco na Medicina Reprodutiva
Naquela época, Lesley Brown e seu marido, John, tentavam há anos ter filhos. O problema diagnosticado era que Lesley, aos 32 anos, tinha as trompas de Falópio bloqueadas.

Foi quando, no final de 1977, dois médicos britânicos, Patrick Steptoe e Robert Edwards, especialistas em fertilidade, que vinham se dedicando com afinco à pesquisa há mais de quinze anos, decidiram tentar algo pioneiro: uma fertilização in vitro. A técnica era utilizada experimentalmente em ovinos e bovinos e, na época, passou a ser amplamente estudada por cientistas americanos e ingleses.

Os médicos britânicos colheram um ovócito nos ovários de Lesley e fertilizaram-no, fora de seu corpo, em laboratório, com o esperma de John. A fertilização se deu em uma proveta, e, após concebido, o embrião foi implantado no útero de Lesley.

A gestação transcorreu normalmente, e os médicos tentaram manter secreta a gravidez de Lesley, em vão. O próprio Dr. Patrick Steptoe, temendo que o estresse provocado pela perseguição dos jornalistas colocasse a gravidez em risco, levou-a escondida em seu carro e a abrigou na casa da mãe dele.

Foi então que, pouco antes da meia-noite de 25 de julho de 1978, no hospital de Oldham, em Bristol, nascia, por cesariana, o primeiro bebê de proveta do mundo, resultado do processo de fertilização in vitro (FIV), Louise Joy Brown. “Joy” significa “alegria” em inglês. Os primeiros instantes de vida de Louise foram filmados, e o vídeo tornou-se famoso no mundo inteiro.

Louise, hoje, leva uma vida normal, já trabalhou como funcionária dos Correios de Bristol e como enfermeira em uma escola. É casada e mãe do menino Cameron, concebido naturalmente.

Alguns anos depois do nascimento de Louise, os seus pais tiveram outra menina, Natalie, também nascida por fertilização in vitro (FIV).

A fertilização in vitro significou, sem dúvida, uma revolução na Medicina Reprodutiva e é considerada como um dos mais notáveis avanços médicos do século XX.

 

Em 1983, nascia Ana Paula, o primeiro bebê de proveta no Brasil, sendo o primeiro por óvulos doados.

O primeiro ser humano a se desenvolver a partir de um embrião criopreservado, nasceu na Austrália, em 1984 e é conhecido como Baby Zoe.

Em 1985 ocorreu o primeiro nascimento por meio do útero de substituição.

Em 1987, nascia o primeiro bebê após a utilização de óvulo congelado.

Houve uma evolução no tratamento da FIV. Há trinta anos, o primeiro passo do tratamento por FIV consistia no estímulo à produção de óvulos e espermatozoides por meio de substâncias sintéticas que ainda eram muito impuras. Hoje, os hormônios são mais avançados e mais puros. Antes, não havia uma maneira precisa de acompanhar o amadurecimento do óvulo no organismo feminino, hoje, utiliza-se o ultrassom vaginal.

Antes, a coleta dos óvulos era realizada por meio de laparoscopia, com a necessidade de anestesia geral e internação hospitalar. Hoje, o procedimento se dá via transvaginal, por meio de uma guia acoplada ao ultrassom, necessitando apenas da sedação da paciente. Os óvulos são aspirados, analisados em laboratório e unidos aos espermatozoides - fertilização - para serem implantados no útero três dias após a coleta.

Antes, não havia o controle para evitar gravidez múltipla, pois eram transferidos inúmeros embriões. A evolução das técnicas viabiliza a implantação de um número cada vez menor de óvulos fertilizados.

O segundo marco na Medina Reprodutiva
A Fertilização in vitro com ICSI - Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoide foi o segundo grande marco na história da ciência da reprodução humana, depois do nascimento de Louise Brown, o primeiro bebê gerado pela fertilização in vitro – FIV.

Em 1991, Gianpiero Palermo, do Centro de Medicina Reprodutiva, da Vrije Universiteit Brussel, sob a direção de Paul Van Devroey e Andre Steirteghem, realizou o procedimento introduzindo o espermatozoide no citoplasma do óvulo maduro, por meio de uma microscópica injeção com microagulha de espessura interna de 6 microns, sete vezes menor que um fio de cabelo. Houve a fertilização e o embrião foi transferido para o útero da mãe, nascendo, então, o primeiro bebê produzido pela ICSI.

Avanços
A Medicina Reprodutiva avançou muito nas últimas três décadas, com recursos tecnológicos que possibilitam realizar o tratamento de maneira mais precisa, com técnicas menos invasivas e mais sofisticadas, melhorando as perspectivas de um bom resultado.

E a evolução continua com técnicas como: criopreservação de embriões, maturação de gametas in vitro, cultura de embriões até blastocistos, injeção de espermátides, troca de citoplasma, óvulo-doação, biópsia e aspirado testicular e de epidídimo, diagnóstico pré-implantacional, maturação de gametas, dentre outras.

TOUR VIRTUAL
Conheça a Pronatus

Faça um Tour, conheça a Pronatus.
O nosso fórum de pacientes já está funcionando, com muitas informações e artigos dos médicos moderadores. Fique atento!
PESQUISAR:
© 2010 Pronatus Medicina Reprodutiva - Mapa do site | Política de privacidade | Todos os direitos reservados
Tv. 14 de Março, 942 | Tel: 3259-5459 | 3259-5485 | Belém - Pará | Atendimento das 09h às 19h.
As imagens aqui utilizadas são de propriedade e licenciadas © Pronatus / By Jungle
Para mais informações entre em contato : atendimento@clinicapronatus.com.br

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player